36 – The Power of The Grid

Dois bons exemplos para justificar o poder da rede, elaborado e planejado pelo governo local, são o uso de areia nas praias pelos banhistas e nas favelas brasileiras. Nos dois casos, o mesmo problema, a ocupação anárquica do solo devido à falta de uma rede / espaço público imposta por lei, acontece, a última pior que a primeira, é claro.

Atualmente, alguns governos locais impõem disciplina sobre como os banhistas ocupam / sentam na areia da praia. Da minha observação, vejo 4 divisões:

1. Uma área na areia reservada para hotéis que oferecem cadeiras de praia e guarda-sóis gratuitos para seus clientes (uma concessão);

2. Uma área onde alguém pode alugar uma cadeira de praia e um guarda-chuva no bar local e, em alguns casos, nos salva-vidas (também uma concessão);

3. pista de salva-vidas e;

4. O resto.

Nas 3 primeiras divisões, você não pode sentar-se com sua cadeira e guarda-chuva, eles devem ter uma visão clara e acesso direto ao mar. No resto, você pode sentar na areia com seus pertences pessoais. Quanto ao “espaço público definido por lei “, na verdade não existe. Você não tem uma ocupação lógica e ordenada da areia: cada um tenta maximizar sua utilidade. E não há problema com isso, o pior que pode acontecer é que fica muito apertado e sua utilidade é minimizada pela presença de outra pessoa. O poder público não pode fechar a praia também, para que as pessoas possam continuar entrando e sentando na areia. Os vendedores de praia recebem mais clientes, mas menos mobilidade (velocidades mais lentas) para navegar entre a multidão de guarda-chuvas.

No caso das favelas, você tem um problema quase insolúvel em fornecer serviços públicos subterrâneos (água, esgoto, redes de eletricidade) com economias de escala. O uso do solo é tão aleatório que você quase não tem oportunidades para os principais distribuidores troncais e coletores de água e esgoto. Isso acontece devido à falta de uma rede. No caso de transporte público, o problema é que você não pode operar veículos grandes, apesar de ter densidade e volume de passageiros para isso. É por isso que as favelas desesperadamente precisam de formas alternativas de transporte, como teleféricos, bici e moto-táxis, microtransporte, peruas. Você não pode construir um BRT em uma favela, apesar de ser um mercado muito bom para isso!

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s